Blog

Frankfurt

Dicas e perrengues em uma viagem pela Alemanha, França e República Tcheca

Essa Viagem do leitor de hoje narra tudo que minha amiga Andrea Bisaggio passou na sua ida à Alemanha, República Tcheca e França. Ela dá muitas dicas e alerta para os perrengues que passou!
Por Andrea Bisaggio
Os preparativos
Esta viagem foi um presente para o meu filho que fez 18 anos e passou no vestibular.
Queria muito que ele conhecesse a Alemanha, país que eu adoro.
Não temos o hábito de fazer roteiros detalhados. Planejamos ir na Croácia, República Tcheca, França e Alemanha e por isso acabei comprando um eurail Global Pass, pois poderíamos ir a qualquer país da Europa.
Dica 1: planeje e economize no passe.
Ponte Carlos - Praga

Ponte Carlos – Praga

O voo

Voamos de Air France. Meu último voo por esta cia foi em 2010. Estranhei um pouco a queda nos serviços. Não ganhamos mais a necessaire com meia por exemplo.  Na volta o sorvete que em 2010 era Haagen Daaz foi substituído por outra marca e não ficou à vontade para pegarmos, foi apenas servido pela aeromoça. Pagamos o seat plus no voo da volta. Não era o espaço que imaginamos, mas qualquer coisa é melhor do que ir no espaço normal.
Dica 2: o que gastamos no deslocamento entre França e Alemanha e no hotel em Paris, não compensou voar de Air France. Dava no mesmo ir pela TAM para Frankfurt. 
A viagem
A ideia era chegar em Paris e ir direto para Nuremberg, onde ficaria na casa de uma amiga.
Quando chegamos na Gare às 9h da manhã, fomos informados de que não tinha vaga para portador de passe no próximo trem para Nuremberg. Teríamos que esperar ate às 15:30. Na hora não pensei direito e acabei fazendo a reserva para este trem. Ainda no balcão pensei que eu poderia dormir em Paris e ir para Alemanha no dia seguinte, apenas para descansar. Mas a vendedora não quis nos reembolsar.
Dica 3: na França, mesmo com passe, exige-se reserva de assento no trem. Entretanto tais assentos são limitados, como as milhas. Eu já tinha passado por esta situação em 2007, porém não lembrava. Já na Alemanha e na Suíça, basta você entrar no trem e sentar. Então quem for usar passe na França, faça a reserva do trecho com antecedência.
Andrea onde ficava o muro de Berlim

a linha  onde ficava o muro de Berlim e separava as duas Alemanhas

Fizemos base na casa de uma amiga em Nuremberg e de lá fomos indo e vindo para várias cidades.

Nosso foco era comer comidas típicas e beber cervejas.
Chegamos em Nuremebrg no sábado bem tarde. No domingo fomos conhecer o centro histórico da cidade e seu castelo.Na segunda-feira era feriado, então pensei em aproveitar o dia viajando, já que nada abriria. Fomos então para Berlim, na casa de outra amiga.
Já de noite fomos ver alguns pontos turísticos, pois mesmo sem sol, estava anoitecendo mais tarde.
Aliás, a falta de sol foi um problema. Não fomos preparados para o frio que pegamos. Os amigos de lá disseram que estava fazendo calor e que bastava um casaquinho leve. Só que em tempos de aquecimento global, esfriou e choveu muito. Chegamos a pegar 6 graus na chegada em Paris.
Minha base em Berlim, a casa de uma amiga, foi na rua das compras. Ficamos dois dias por lá.
Vale lembrar que o passe de trem dá direito a usar o S-bahn (metrô de superfície) das cidades. Então aproveitamos bem esta facilidade do passe.
Mesmo assim, para otimizar o dia, pegamos o ônibus turístico hop on, hop off para conhecer os pontos turísticos. Jantamos em um restaurante típico da Alemanha e na segunda noite fomos ao Hard Rock Cafe.
De Berlim fomos para Praga. Minha amiga me disse que lá era meio perigoso, que havia muitos batedores de carteira. Só que esqueci a doleira em Nuremberg. Também nos falaram que os taxistas são enroladores. Chegamos em Praga e pegamos mesmo o metro para irmos para o hotel.
Lendo nos blogs, vi que seria legal ficar na região de Mala Strana, paret histórica de Praga. Só que vi que la não tem metrô, então optamos por ficar em outro bairro perto do metrô.
Nosso hotel foi o Sait George (55 € a diária). Bom, café da manhã farto, atendimento excelente, porém não tinha internet no quarto. Dava para ir andando para a Wenceslau Platz. Detalhe: uma senhora nos disse que estávamos na primavera mais fria desde 1979!
Como pretendíamos ficar apenas dois dias por lá, também pegamos o hop on, hop off para otimizar. Em determinado ponto descemos e caminhamos para chegar na Ponte Carlos. No ônibus fomos alertados para tomar cuidado com a bolsa. A esta altura eu estava neurótica!
Paramos para almoçar no McDonald’s, relaxei com a bolsa e acabei sendo furtada. Bem, com isso perdemos o passe de trem e o passaporte, ja que coloquei tudo junto na bolsinha de dinheiro. Depois de tudo resolvido (polícia, embaixada, etc) a gente se mandou de volta para Nuremberg.
Salzburg

Salzburg

Sem o passe fiquei meio perdida sobre a continuidade da viagem. Gostaríamos de passar numa cidade chamada Pilsen, onde foi criada a cerveja Pilsen, cuja receita se encontra em três cofres na Europa. Mas decidimos por voltar logo para a Alemanha. A companhia de trem Alemã (Deutsche Bann) tem ônibus ligando Praga a Nuremberg e Munique em seis horários diários, sendo bem mais rápido que o trem e pouca coisa mais cara. Os ônibus são um luxo! Muito confortáveis, com rodomoça vendendo snacks e bebidas.

Ficamos na sexta e no sábado em Nuremberg. Ainda estava meio sem rumo após o furto, tentando pegar cartões emergenciais, etc.
Minha amiga me disse que havia passe de trem regional que custava 36€ e que podiam andar até cinco pessoas, saindo a partir das 9h da manhã  até as três da manhã do outro dia. Então optamos por usar estes trens. Eles são mais lentos que os outros, mas não muito. Dava uma diferença de meia hora, ou uma no máximo. Fomos então conhecer Salzburg.
No dia seguinte fomos a Munique. Almoçamos na famosa cervejaria Hofbrauhaus. Vale a pena, porém não pode ter pressa. Se ficar chamando o garçom ele não te atende… Tem que ser quando ele achar que deve ir.. Mas tudo bem, não estávamos com pressa. Lá são aquelas mesas enormes e você senta onde tiver espaço. Isso é legal pois logo você estará interagindo com pessoas do mundo todo.
Frankfurt

Frankfurt

Tive que ir a Frankfurt, pois reservei errado um hotel que não podia cancelar e  para sair do estado o passe regional subia para 50€.

Lá nos hospedamos no hotel Excelsior (60€). Café da manhã fartíssimo. Tem de tudo, até comida chinesa!! O frigobar é incluído na diária. Sim, podemos beber tudo que está dentro! Tem suco, cerveja, refrigerante e água. O hotel é antigo, mas fica do lado da estação de trem, então acho que tem um excelente custo benefício.
Quem sentir falta de uma comidinha brasileira não deixe de ir no Empório Vida Bio (Hasengasse 2). Todo sábado tem feijoada. Eu comi bolinho de aipim com carne seca.
Estava se aproximando o fim da viagem e minhas malas estavam bem pesadas. Para quem está de trem isto não é legal. Os espaços para bagagem grandes não são muitos. Então preferimos deixar tudo em Nuremberg e mesmo perdendo mais tempo, ir a outras cidades e ir de Nuremberg para Paris de uma vez só.
Dica 4: se não estiver de mochilão ou com poucas malas, esqueça o trem.
Ulm

Igreja com a maior torre do mundo em Ulm

Então fomos visitar outro amigo em Wablingem, próxima a Stuttgard. Passamos três noites lá e visitamos Baden baden, Ulm, Augsburg e Offenburg. Ulm tem a igreja com a maior torre do mundo com mais de 700 degraus! É a cidade onde nasceu Einstein.

Sem o passe de trem, cancelamos nossa ida para a Croacia. Queríamos conhecer o Parque Plitvice, mas ficará para a próxima.
Offenburg

Offenburg

Retornamos de Nuremberg para Paris dois dias antes do voo. Reservei um hotel Ibis perto da Gare, pois estava com muitas malas e já tinha decidido ir de taxi pro aeroporto. Acontece que no Ibis, se você não colocar seu cartão de crédito sua reserva cai às 19h. Eu pensei nisso e avisei que chegaria às 22h. Dei meu número do cartão emergencial. Ao chegar lá a reserva tinha caído pois não conseguiram passar o cartão.

Dica 5: cartão emergencial só funciona com sua assinatura, portanto nada de fazer reservas usando ele.
Como era tarde, reservamos um hotel espelunca por perto e na noite seguinte consegui um Mercure para passar a última noite mais digna.
Em Paris finalmente o sol apareceu e aproveitamos dois dias na cidade!

Administradora, mãe das gêmeas Camila e Letícia, carioca, apaixonada por viajar. Gosto de todas as fases, desde o planejamento até a revelação das fotos. Curto enoturismo, ecoturismo, viagem de luxo, romântica, e principalmente viajar com as filhotas.

Você não está autorizado a visualizar esta parte
O campo App IDotherwise your plugin won't work.

Comments

  • Paula
    junho 8, 2015

    Relato interessante para mostrar a todos o quanto planejamento é importante. Está certo que alguma eventualidade sempre acontece, mas os problemas relatados pela leitora foram inúmeros e, muitos deles, relacionados à logística: reserva de hotéis, tempo de permanência nas cidades, excesso de bagagem e deslocamentos.

    reply
  • Tânia Krstic
    janeiro 25, 2015

    Concordo com a Sônia. Estive em novembro fazendo Rio Amsterdã Belgrado de avião e o restante de carro, trem e o ônibus ente Nis/Belgrado Budapeste Praga e Berlim… e não tive nenhum problema com esses deslocamentos também não vi nada perigoso em Praga que é uma cidade dos sonhos….muito linda. E nao deixem de conhecer Belgrado na Sérvia minha cidade de coração…,gastronomia, bares e restaurantes maravilhosos, cultura, história e um povo acolhedor com sorriso nos lábios a te receber.

    reply
  • janeiro 24, 2015

    Adoro viajar. Já visitei França, Itália, Inglaterra, Portugal, Espanha Turquia, Grécia. Estados Unidos, Nassau, Bahamas, Argentina, Uruguai.
    Fortaleza, Rio Grande do Norte, Brasília, Minas Gerais, Espírito Santo. Rio Grande do Sul ( Gramado, Canela e adjacências),Paraná (Foz do Iguaçu e Ciudad del Leste -Paraguai). ainda falta muito para conhecer….

    reply
  • Bianca
    janeiro 24, 2015

    Tb adoro viajar e Ja passei por alguns sufocos!se vou em muitos lugares evito comprar muito coisa. Traço uma rota em sequência, sem muito bate e volta, eh muita perda de tempo e dinheiro. Dependendo da cidade, pelo menos uns 3 dias… Ainda mais cidade grande. E com muita mala, de avião e ainda pior, por que voo low cost não permite e os outros são muito caros! Boa sorte nos próximos

    reply
  • Sonia Leça
    agosto 9, 2014

    Olá, viajei em setembro passado para Praga e tenho algumas observações a fazer: primeiro, em Praga não há necessidade de se pegar metrô, trem ou táxi. Percorre-se todo o centro histórico a pé, o que é uma delícia!
    Em segundo, não vi, nem senti, nem ouvi falar do perigo da cidade. Pelo contrário, andei muito segura e tranquila.
    Em terceiro, Praga merece pelo menos uns cinco dias para ser apreciada. É linda! Voltei apaixonada.

    reply
  • Maira
    agosto 7, 2014

    Meu Deus!!!!
    Quantos vacilos nessa viagem!!!
    Fui a primeira vez para Europa mês passado, fiquei 20 dias consegui me planejar bem e deu tudo certo!!!!
    Tente ler mais blogs e se planejar mais para evitar isso!!!!

    reply
  • Mariana
    julho 7, 2014

    Oi Flávia até que ponto você achou vantajoso o passe na Alemanha, vou passar alguns dias lá e na Suíça e andei olhando o preço em algumas companhias e achei muito caro coisa de €300 €500. É isso mesmo? Beijo e obrigada.

    reply
  • jussara
    maio 14, 2014

    Eu estive em Praga no ano passado, fiquei cinco dias e amei a cidade e, graças a Deus, nada me aconteceu apesar da multidão de turista que tinha lá. Estive tbém Em Berlim, Munique e Frankfurt e achei tudo muito tranquilo e lindo. Pretendo voltar p Alemanha p conhecer outras cidades.

    reply
  • Marise
    janeiro 11, 2014

    Andrea, por acaso você é a mãe do Caio? Eu sou mãe da Roberta, avó do Felipe, filho do Pedro. Se for, precisamos manter contato. Seu filho (caso seja) já esteve aqui em casa algumas vezes e acompanhou a Rô em uma festa de 15 anos há 2 anos atrás. Vó Ju tb fala muito de vc…

    reply

Post a Reply to Marise cancel reply