Para o dólar não estragar seus planos de viagem

o que fazer para a variação do dólar não prejudicar sua viagem

o que fazer para a variação do dólar não prejudicar sua viagem

Uns dizem que não inibe os planos de quem vai viajar, mas o fato é que é só o dólar subir que vejo muita gente desistir de viagens, alterar o roteiro, diminuir o tempo de duração da viagem, e no caso dos brasileiros, a tortura de riscar itens da listinha de compras.

Apesar de estar fora do mercado financeiro há quase 7 anos, eu procuro sempre entender a volatilidade (alta/baixa) do dólar, pra poder ver se é algo duradouro ou uma crise curtinha, fruto de alguma notícia vinda do exterior. E a partir daí eu começo a rever os planos de viagens, pois quando o dólar parece que só vai subir, é preciso readaptar a planilha de custos.

E estamos vivendo agora esse momento de dólar alto (subiu mais de 19% no ano), previsão nada otimista de PIB (Produto Interno Bruto) e uma inflação como não vivíamos há muito tempo. Pra ter noção existe gente no mercado prevendo o dólar a R$ 3,10 para dezembro/2013! Enfim, isso não é um blog do mercado financeiro e a idéia é ajudar a fazer com que a alta do dólar não tenha um impacto tão grande nas próximas viagens, mas como?

Bom, primeiro eu torço pra que quem vai viajar nesse semestre ou no começo do ano que vem já tenha comprado alguns dólares. O ideal é comprar um pouquinho a cada mês, pois mesmo que ele varie ao logo dos meses, a média vai ser um bom negócio e você não estará à mercê da sorte. De qualquer maneira, ninguém em sã consciência viaja com uma grande quantidade em dinheiro em espécie, eu uso apenas para lanches rápidos na rua, comprar uma água, refrigerante.  Portanto o viajante tem que escolher se vai levar cartões de créditos internacionais ou cartões de débito, pré-pagos ou não.

Depois que o IOF (imposto de operações financeiras) para compras no exterior com cartões de crédito aumentou para 6,38% , a definição de como será os seus gastos na viagem se tornou importantíssima! *   O IOF dos cartões de débito pré-pago  é 0,38%, ou seja, menos 6% do que o cartão de crédito. Só pra ter uma noçãozinha.. se você gastar US$ 2mil no cartão de crédito durante a viagem, isso te custará US$ 136 a mais do que você gastaria pelo cartão de débito pré-pago. *

Em relação ao câmbio, o do cartão de débito pré-pago é calculado pelo dólar turismo do dia que você carrega ele. Já o  valor da compra no cartão de crédito internacional não é calculado pelo dólar turismo, e existe uma variação entre os 2, sendo o turismo sempre mais caro. E nos cartões de crédito o câmbio é do dia do vencimento da fatura, o que te deixa mais tempo vulnerável à volatilidade da moeda.

Na minha última viagem, para a Europa em maio, eu usei pela primeira vez um cartão de débito pré-pago internacional, no caso o Global Travel da American Express. Fiz  o meu pelo Itaú, onde tenho conta, e foi de graça. Confesso que tive o maior receio de fazer, pois li inúmeras queixas de clonagem do cartão, e tem acontecido com todos, no Reclame Aqui , mas tudo localizado nos Estados Unidos, o que me fez ter coragem de arriscar, já que estava indo pra Portugal. Não fiz de valor alto, pois sempre viajo com o notebook e essa é mais uma vantagem do pré-pago, no caso esse pelo Itaú, você pode transferir da sua conta pela internet durante a viagem, e eu acho que é uma boa, pois diminui o risco nesses casos de clonagem. Deixei o cartão de crédito para casos de emergência, de gastos não previstos e confesso que foi uma tranquilidade sair do país sem o medo da fatura do cartão no mês seguinte! Fora a possibilidade de sacar o dinheiro, inclusive em outras moedas, sendo que é bom verificar se o seu cartão cobra taxa para isso.  

Claro que existem pontos positivos nos cartões de créditos que devem ser levados em consideração: muitos possuem seguro viagem (obrigatório em muitos países), acumulam milhas, mas acredito que é sempre bom fazer as contas pra não perder dinheiro.

Sei que é falar o óbvio, mas o fato é que planejamento é tudo! Estou planejando viagem para 2014 e a minha idéia é comprar dólares aos poucos no próprio cartão de débito pré-pago, (outra vantagem é que você pode deixar o crédito de uma viagem para a outra, em euro ou dólar). Isso porque mesmo o valor do dólar tendo subido como nessa semana, ele ainda será menor do que o do final do ano, de acordo com os especialistas, e assim eu vou conseguir gastar menos do que gastaria. Resumindo… mesmo não entendendo bem do mercado financeiro, procure dar uma olhada nas previsões de médio/longo prazo para avaliar se vale a pena comprar o dólar no meio de uma alta, pois essa alta pode se estender por muito tempo, piorar, e inviabilizar a sua viagem.

E vocês? Tem alguma dica de como agir em relação à alta do dólar e não prejudicar a viagem?

 

* Atualizado em 27 de dezembro de 2013: Hoje saiu uma matéria no Globo dizendo que o Governo autorizou o aumento do IOF para Cartões de débito pré pagos para 6,38%  , igual portanto ao valor cobrado nos cartões de crédito e entraria em vigor a partir de amanhã, 28/12/2013. Estou no aguardo de mais informações.

 

Você não está autorizado a visualizar esta parte
O campo App IDotherwise your plugin won't work.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *