Perrengues causados pelo Sandy relatados por uma turista em Nova Iorque

Eu vou confessar: evito ao máximo ir para a Flórida no segundo semestre por causa dos furacões, assim como para o Caribe … tenho fotos de Cancun destruída por um furacão quando estive lá em 2006. Mas Nova Iorque nunca esteve nessa minha “lista negra” para o segundo semestre.. já morei lá de agosto à outubro e foi super tranquilo. Durante a passagem do Sandy me preocupei com algumas amigas que estavam na região. Uma delas que mora em Nova Jersey e se preparou, eu me preocupei menos, a Dani, que estava à passeio em NY é que me deixou mais preocupada. Isso porque quem mora nesses lugares, e a passagem de um furacão não é algo impossível, já está preparado psicologicamente para isso, além de ter tempo, espaço, infraestrutura para se preparar especificamente para os transtornos causados pela passagem de  um furacão. E a Dani fez esse relato dessa experiência dela lá em NY e isso mostra como é diferente a passagem de um furacão no ponto de vista de morador x turista..

Furacão Sandy em NY – nós estávamos lá!!! por Daniela Perez

Eu e meu marido fizemos dez anos de casados e para comemorar, planejamos uma viagem para Nova York. Embarcamos dia 21 de Outubro e retornaríamos da Big Apple no dia 30 do mesmo mês, se não fosse o furacão Sandy ter cruzado nosso caminho…

estragos do Sandy em NY

Aproveitávamos bastante a viagem, quando começaram as primeiras ligações e mensagens de parentes e amigos preocupados conosco já que o Sandy se aproximava. Como alugamos um apartamento – na 7th Avenue, esquina com a 14th street – que não tinha televisão, estávamos completamente alheios ao Sandy e a toda expectativa referente a sua chegada. Quando no sábado dia 27 de Outubro parentes nos perguntaram pela primeira vez se sabíamos do furacão, respondemos que não sabíamos de nada e saímos para passear! Final de semana de festas de Halloween, o povo fantasiado nas ruas e nós íamos ficar nos preocupando com o furacão Sandy??? Tem dó! Afinal, com esse nome ele não deveria ser tão assustador… No entanto, não podíamos deixar de levar em consideração o que diziam nossos parentes e amigos e por via das dúvidas, começamos ainda no sábado a acompanhar pela internet as notícias do furacão.

Domingo (28 de Out) de manhã ainda saímos para passear, no entanto, neste dia às 17hs as autoridades americanas resolveram interromper o funcionamento do metrô. Voltamos para o apartamento antes das 17hs e ainda víamos muitas pessoas nas ruas. Tínhamos água mineral, uma mini lanterna-chaveiro e alguma comida. Achamos que nosso kit-furacão já estava de bom tamanho, no entanto, diante dos apelos dramáticos de nossos familiares, resolvemos sair para comprar mais água e comida no mercado do outro lado da rua. Para nossa surpresa, quando chegamos lá havia se formado uma fila na porta e apenas algumas pessoas de cada vez eram liberadas para entrar. Confesso que nesse momento comecei a ficar tensa, sentindo-me personagem daqueles filmes americanos em que se retrata o fim do mundo…

Depois de engordar um pouco mais nosso kit-furacão voltamos para o apartamento e lá ficamos até o Sandy passar, ou seja, permanecemos literalmente trancados no apartamento de domingo à tarde até terça-feira de manhã, o suposto dia de nossa volta ao Brasil.

o prédio que passou repetidamente na tv

A espera foi tensa, já que quando se vive no Brasil, não se tem idéia do que esperar de um furacão. Idéia até temos, mas uma coisa é você ver furacões em filmes ou até mesmo em imagens reais de reportagens e outra completamente diferente é você estar lá, in loccu, vivenciando aquilo tudo.

Assim, resolvemos traçar nossa estratégia. Antes de tudo, arrumamos nossas malas e as guardamos dentro dos armários, deixando de fora apenas uma peça de roupa para cada um. Como o apartamento tinha muitas janelas, na noite de segunda para terça – a noite em que o Sandy chegou – fizemos uma cama no corredor de entrada do apartamento e dormimos ali. Foi só mesmo nesta noite que o tempo piorou, antes a chuva era fina e apesar de o céu estar “bem carregado” de nuvens pretas o vento também não era assim tão intenso. No entanto, próximo das 19hs de segunda-feira (29 de Out) a ventania começou a se intensificar, a chuva ficou mais forte e às 20hs ficamos sem luz. Que noite! Dormir, nem pensar… Pensava no que fazer se as janelas quebrassem. Sairíamos do apartamento deixando as nossas malas para trás?? Sim, claro! O importante era estarmos seguros…Ai minhas comprinhas, os presentinhos da minha filha… Ah, minha filha, meus pais, como eles estariam no Brasil, preocupados conosco… Subitamente meus pensamentos eram interrompidos por sirenes de carros de bombeiros, ambulâncias… Voltava eu a pensar em quando conseguiríamos regressar ao Brasil, visto que a esta altura já havíamos perdido as esperanças de embarcar na data prevista… Enfim, tudo vinha à cabeça e nada de sono. Dormir, nem pensar!

Depois da tensão da noite, finalmente amanheceu! Sandy foi embora! Sim, ouvimos vento, choveu, mas para nós nada tão intenso que justificasse todo aquele alvoroço. Talvez por estarmos em um apartamento de fundos e no sexto andar tenhamos ficado mais protegidos… Assim, resolvemos descer para conversar com o porteiro, precisávamos ter uma noção dos estragos deixados pelo furacão.

As conversas que tivemos com o porteiro e com alguns moradores não foram nada animadoras… O prédio que estava sem luz, ficaria também sem água em algumas horas, transporte público não funcionaria naquele dia e o Sandy havia deixado muitos estragos. Houve uma explosão na rede elétrica da área e para conseguir carregar o celular tivemos que andar muito. Tarefas do dia: avisar aos nossos familiares que estávamos bem – OK; carregar o celular para tentar falar com a Cia aérea – OK; falar com a Cia aérea – não conseguimos!!!

Minha cunhada tentou resolver tudo do Brasil, descobrimos que meu retorno havia sido remarcado automaticamente pela cia aérea para as 8hs da manhã da quarta (31 Out) e que o vôo do meu marido não havia sido remarcado já que era de milhas?!?!?!?! Como assim??? Tentamos em vão encontrar um loja da cia aérea, mas depois de andar muuuiiiiittoooo, como já era de se esperar, a loja estava fechada.

Retornamos ao apartamento e na portaria nos deparamos com vários moradores deixando o prédio, que agora estava sem luz e sem água. Diante dessa situação, resolvemos fechar as malas e tentar um táxi para o aeroporto. Descer seis andares com quatro malas e no escuro não foi tarefa das mais fáceis – meu marido que o diga! Depois de algum tempo conseguimos um táxi que nos cobrou o dobro do habitual e lá fomos nós para o aeroporto…

noite no aeroporto

Ao chegarmos lá, descobrimos que o aeroporto estava fechado!!! O que fazer? Desesperei! Chorei! O taxista se sensibilizou e foi de terminal em terminal, perguntando onde poderíamos ficar já que tínhamos um vôo muito cedo no dia seguinte. Nos deixaram ficar em um terminal, onde haviam algumas pessoas, dentre eles alguns brasileiros que estavam no aeroporto desde o dia anterior. Sentamos perto de umas alemães que falavam espanhol e prestando atenção na conversa delas descobri que haviam funcionários da Delta no terminal ao lado. Não pensamos duas vezes, pedimos para as meninas – que havíamos acabado de conhecer – tomarem conta de nossas malas e lá fomos nós correndo, tentar descobrir quando afinal poderíamos voltar, de preferência juntos no mesmo vôo.

Tivemos uma sorte incrível, fomos atendidos por uma moça super simpática que fez de tudo para nos ajudar! E finalmente, conseguimos ter uma data marcada para o retorno ao Brasil, os dois no mesmo vôo – dia 2 de Novembro (sexta-feira). Ficamos tão contentes que nem levamos em conta o fato de estarmos ainda no dia 30 de Outubro (terça-feira)…

Dormimos esta noite no aeroporto, em camas de camping improvisadas pelas cias aéreas. Passamos muito frio à noite, mas pelo menos conseguimos esticar as pernas… Pela manhã começamos a pensar o que poderíamos fazer… Tentamos ficar em algum hotel próximo ao aeroporto mas todos estavam lotados. Em Manhattan os hotéis também estavam cheios, já que as pessoas que tiveram seus vôos cancelados continuaram hospedadas e já começavam a chegar novos hóspedes para a meia maratona de NY (que acabou sendo cancelada). Eu tenho uma amiga em New Jersey, mas não tínhamos como chegar lá! O que fazer???

Acabamos ficando em Manhattan, na casa de um casal maravilhoso. Pessoas que nos acolheram apesar de suas próprias perdas com o Sandy! Ela, uma amiga brasileira da minha cunhada que mora há anos na terra do Tio Sam; ele, seu marido. Os dois nos salvaram de ficar morando por dois dias no aeroporto. Ufa! Que sufoco!

Finalmente, no sábado, dia 3 de Novembro, chegamos ao Rio de Janeiro, cidade maravilhosa onde furacões não existem!!! Uma comemoração de dez anos de casados para nunca mais esquecer!

 

Você não está autorizado a visualizar esta parte
O campo App IDotherwise your plugin won't work.
Últimos comentários
  1. Eduardo Galvão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *